sábado, 20 de agosto de 2011

RADICULOPATIA LOMBAR

Núcleo polposo herniado, disco herniado


  • Nomes alternativos:
Radiculopatia cervical; disco intervertebral herniado; radiculopatia lombar; disco intervertebral prolapsado; radiculopatia; disco herniado:
  • Definição:
Condição na qual uma parte ou toda a porção central, gelatinosa de um disco intervertebral (núcleo polposo) é forçado através de uma parte debilitada do disco, com a conseqüente dor nas costas e a irritação da raiz nervosa.
  • Causas, incidência e fatores de risco:
As vértebras da coluna vertebral estão separadas umas das outras por discos cartilaginosos, os quais são preenchidos com uma substância gelatinosa que fornece o amortecimento para a coluna vertebral. Estes discos podem se tornar herniados, ou romper, como conseqüência de um trauma ou de um esforço, principalmente se houver alterações degenerativas.
O termo radiculopatia se refere a qualquer condição o que afete as raízes nervosas da medula espinal. O termo "radiculopatia lombar" implica que os nervos lombares estão envolvidos; a "radiculopatia cervical" significa que as raízes nervosas do pescoço estão comprometidas. O disco herniado é uma das causas da radiculopatia (porém não é a única).
As maiorias das hérnias ocorrem na área lombar da coluna vertebral. O disco herniado na região lombar ocorre 15 vezes mais do que a do disco cervical (pescoço), e é uma das principais causas da dor nas costas. Os discos cervicais são afetados em 8% dos casos, enquanto que os discos superiores-medianos das costas (torácicos) somente 1% a 2% das vezes.
As raízes nervosas (nervos grandes que se irradiam da medula espinal) podem ficar comprimidas e gerar sintomas neurológicos como, por exemplo, alterações motoras ou sensitivas.
A hérnia de disco ocorre com maior freqüência nos homens de meia idade e nos homens mais velhos, especialmente os que se envolvem em atividades físicas extenuantes. Outro fator de risco é qualquer condição congênita que afete o tamanho do canal medular lombar.
Sintomas:
SINTOMAS DA RADICULOPATIA LOMBAR:
SINTOMAS DA RADICULOPATIA CERVICAL:
  • Dor cervical, especialmente na parte posterior ou lateral
  • Dor profunda, perto ou sobre as escápulas do lado afetado
  • Dor irradiada ao ombro, parte superior do braço, antebraço, raramente nas mãos, dedos ou tórax
  • Dor que fica mais intensa ao tossir, fazer esforço ou rir
  • Aumento da dor ao dobrar o pescoço ou ao virar a cabeça para o lado
  • Espasmo dos músculos cervicais
  • Dor mais intensa durante a noite
  • Sensibilidade nos músculos do lado oposto à lesão
Sinais e exames:
O exame físico e uma história clínica de dor podem ser suficientes para que o médico possa diagnosticar este distúrbio. O médico fará um exame neurológico para avaliar os reflexos musculares, a sensibilidade, e a força muscular. Muitas vezes o exame da coluna vertebral revelará uma redução da curvatura normal da coluna na área afetada.
A dor na perna, revelada durante o teste de se levantar a perna estendida, é um diagnóstico da radiculopatia lombar.
Será realizado um "teste de Spurling por compressão do forame" para o diagnóstico da radiculopatia cervical. Esse teste é realizado com a cabeça inclinada para frente e para os lados enquanto se aplica pressão no topo da cabeça. Um aumento da dor ou um entorpecimento durante esse teste normalmente indica a radiculopatia cervical.
EXAMES DIAGNÓSTICOS:
Tratamento:
  • Normalmente se inicia um tratamento conservador, a não ser que o paciente apresente deterioração neurológica. Pode ser que todo tratamento necessário compreenda várias semanas de repouso absoluto, sobre um colchão bem firme, com medicamentos que aliviem as dores e reduzam a inflamação. Também pode ser indicada uma cirurgia para as pessoas que não reajam ao repouso absoluto e aos medicamentos.
MEDICAMENTOS:

  •  AINEs
  • O médico geralmente receita medicamentos do grupo dos antiinflamatórios não-esteróides (AINEs), como o ibuprofeno ou o naproxeno, para reduzir a dor associada com a radiculopatia. Os medicamentos devem ser ingeridos com alimentos para evitar a irritação do estômago. 
  • RELAXANTES MUSCULARES:
  • Os relaxantes musculares como a ciclobenzaprina (Flexeril) ou o carisoprodol (Soma) podem ser recomendados para aliviar o desconforto associado com os espasmos musculares. Porém estes medicamentos podem causar confusão nas pessoas mais idosas.
  •  ANALGÉSICOS:
  • Dependendo da intensidade da dor, podem ser utilizados vários medicamentos analgésicosno período inicial da doença.
CIRURGIA:
  • A cirurgia pode ser indicada para as pessoas que não reajam ao repouso absolutos e aos medicamentos, ou que apresentam sinais de agravamento progressivo dos sintomas, ou que padeçam de uma dor intratável. As opções cirúrgicas incluem a laminectomia, fusão espinal, microdisquectomia e quimionucleólise.
LAMIN ECTOMIA:
  • É um procedimento cirúrgico realizado para remover o disco prolapsado. Esse procedimento é realizado sob anestesia geral. O osso que se curva e engloba a medula espinal (lâmina) e o tecido que está causando a pressão sobre o nervo ou sobre a medula espinal é removido. A hospitalização é de cerca de 7 dias. Você será encorajado a andar no primeiro ou segundo dias após a cirurgia para reduzir o risco de coágulos sangüíneos. A recuperação completa demora cerca de 5 semanas. O trabalho pesado não é recomendado até vários meses após a cirurgia.
  FUSÃO ESPINAL:
  • Uma fusão espinal pode ser necessária se houver instabilidade entre as vértebras. A cirurgia estabiliza (funde) as vértebras com enxertos ósseos ou com varetas metálicas. A região espinal comprometida com maior freqüência é a coluna vertebral baixa (lombar), porém também a região superior (cervical) pode ser afetada. Para a reparação das vértebras lombares, o cirurgião realiza uma incisão diretamente sobre a coluna vertebral (denominado acesso lombar posterior). Para a reparação das vértebras cervicais a incisão é feita na parte frontal ou lateral do pescoço (denominado acesso cervical anterior). O paciente ficará hospitalizado por vários dias após a cirurgia. Um colete para as costas ou um gesso pode ser necessário para imobilizar a coluna vertebral até que fusão das vértebras tenha ocorrido. 
MICRODISQUECTOMIA:
  • É um procedimento usado para extrair os fragmentos do disco intervertebral e seu núcleo.
QUIMIONUCLEOLISE:
  • Consiste na injeção de  enzima quimiopapaina no disco herniado para dissolver a substância gelatinosa prolapsada. Pode ser uma alternativa à laminectomia em certas situações.
DIETA:
  • A constipação é um problema freqüente por causa do repouso absoluto prolongado e da imobilidade, a utilização de medicamentos analgésicos de tipo narcótico, por causa da dor. Esta condição pode melhorar com o aumento do consumo de alimentos ricos em fibra, como por exemplo, as frutas e verduras frescas, grãos integrais e vagens. Certifique-se de ingerir líquidos em quantidades de pelo menos 2 a 3 litros por dia.
REPOUSO ABSOLUTO:
  • Várias semanas de repouso absoluto sobre um colchão firme e medicamentos para aliviar a dor, podem ser o tratamento indicado para a recuperação total. Um aumento gradual progressivo do nível de atividades será recomendado uma vez que a dor aguda esteja sob controle. Siga as recomendações do seu médico com relação aos exercícios físicos e ao nível das suas atividades.
  • Enquanto estiver de repouso absoluto, é muito importante alterar a posição com freqüência e monitorizar as possíveis complicações advindas da imobilidade. Veja também como evitar as complicações da imobilização e prevenir úlceras por decúbito.
APARELHOS ORTOPÉDICOS OU SUPORTES:
  • A utilização de coletes para as costas ou suportes pode ser recomendada inicialmente, após a lesão. Normalmente são usados até que o suporte muscular tenha melhorado com os exercícios. O uso de colete para as costas mostrou reduzir o período de tempo que a pessoa fica na cama. No entanto, pode ser necessário utilizar o aparelho durante até 8 semanas.
  • Um colar cervical macio pode ser recomendado para as pessoas que sofrem de radiculopatia cervical. O colar ajuda a reduzir a dor e os espasmos musculares ao limitar os movimentos do pescoço. No caso dos pacientes com dor e espasmos intensos pode ser necessário o uso de um colar cervical rígido que elimine a carga de peso sobre a coluna cervical.
GELO OU CALOR ÚMIDO: 
  • Algumas pessoas acreditam que as compressas de gelo ou o calor úmido sobre as áreas afetadas podem aliviar um pouco a dor e os espasmos musculares associados com a lesão.
TERAPIA FÍSICA:
  • Inicialmente, após a lesão, você poderá ser encaminhado a um fisioterapeuta para ser tratada com uma “fisioterapia sedativa” que pode incluir a aplicação de compressas quentes, massagem com gelo, rotação do pescoço, exercícios de relaxamento e ocasionalmente uma tração cervical para descomprimir os nervos da coluna.
  • Você também será instruído sobre como realizar os exercícios para fortalecer os músculos do pescoço (para a radiculopatia cervical), e do abdome (radiculopatia lombar). Os exercícios com flexões (dobramento) e alongamentos (estiramentos) podem ser recomendados para aumentar a resistência muscular e o alcance do movimento.
Expectativas (prognóstico):
  • A maioria das pessoas apresenta melhora com o tratamento. Uma pequena porcentagem pode continuar a sofrer de dor nas costas crônica, mesmo após o tratamento. Pode levar vários meses, até um ano ou mais, para reassumir todas as atividades sem sentir dor ou tensão nas costas. Certas ocupações que envolvem levantamento de peso ou esforços que forcem as costas podem necessitar de um ajuste nos afazeres para evitar a lesão recorrente.
Complicações:
Solicitação de assistência médica:
Prevenção:
  • Em algumas pessoas, as práticas seguras durante o trabalho e as atividades físicas, as técnicas adequadas para o levantamento de certos objetos e o controle do peso corporal podem ajudar a prevenir as lesões nas costas.

Pesquisar este blog

Carregando...